quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Para reflectir


Certa vez, um rapaz de nove anos perguntou ao seu pai, que era médico, quanto é que ele cobrava por consulta. O pai disse-lhe o valor e, passado um mês, o filho aproximou-se do pai, tirou algumas notas do bolso, esvaziou o seu mealheiro e disse-lhe com os olhos cheios de lágrimas:
- Pai, há muito tempo que eu conversei contigo, mas tu não tens tempo. Consegui amealhar o valor de uma consulta. Podes conversar comigo?



Olhemos para esta história e pensemos o que queremos para a nossa vida. Será que na azáfama do dia-a-dia não encontrámos um pouco de tempo para dedicar-mos a quem gostámos e a quem precisa de nós?



1 comentário:

Liliana disse...

É incrivel como muitas vezes não temos tempos....ou se calhar dedicamos o tempo a coisas que achamos mais interessantes...

Eu ouvi uma vez uma frase que acho que resume tudo:

Deus deu-nos o tempo de graça!